©
Algumas doses de café num copo de whisky,algumas tragadas de um cigarro e um pouco de melancolia nas folhas amareladas de um velho caderno.
I lost myself
Se você tentou tocar o coração dele, e ele não atendeu, vá embora. Não adianta dar porrada se o edifício estiver vazio.
- Sean Wilhelm.  (via escrevas)
Ir embora dói. Mas ficar, ah meu caro, isso dói muito mais. Quando você fica, é preciso ver o seu mundo sendo desmoronado todos os dias, e não poder fazer nada, só ficar ali, aturando tudo, na esperança de ter o seu mundo reerguido algum dia.
- Camila Cardoso.  (via reencarnado)
No fundo, mesmo lendo tanto, pensando tanto e filosofando tanto, a gente gosta mesmo é de quem é simples e feliz. A gente não se apaixona por quem vive reclamando e amassando jornais contra a parede. A gente se apaixona por esses tipinhos banais que vivem rindo. E a gente se pergunta: que é que ele tem que brilha tanto? Que é que ele tem que quando chega ofusca todo o resto?
- Tati Bernardi.  (via principar)
Só que eu escolheria você. Você que tem esse jeito desajeitado. Esse encanto desencantado. Essa melodia desafinada. Esses erros tão errados. Esses acertos tão acertados. Você que me entende, desentende, briga, faz as pazes, ama, desama, está junto, foge. Você que senta ao lado e sai correndo. Que é puro e meio pagão. Desconfiado e pé no chão. Sincero e verdadeiro. Importante e especial. Valente e traiçoeiro. Você que chegou e destruiu qualquer resistência que eu pudesse vir a ter.
- Clarissa Corrêa. (via recontador)
Quando você se importa com alguém, você quer que ele fique. Mas, às vezes, mostrar que você se importa significa deixá-los ir.
- Gossip Girl.    (via ironias-de-poeta)
Era uma boa mulher. Gostava dela. Realmente, se preocupava comigo, queria que eu me desse bem, que eu escrevesse bem, que eu trepasse bem, que eu parecesse bem. Eu percebia isso. Era legal.
- Charles Bukowski. (via adesejar)

http://secretaria-da-morte.tumblr.com/post/100549995834

secretaria-da-morte:

eu nunca fiz parte de nenhum capítulo importante. acho que você já notou isso. e eu nem sei como mexer as minhas mãos quando você fala alguma coisa. aí eu me escondo por entre notas do meu silêncio. os meus gritos se baseiam em notas dó. mas eu não guardo nada de especial aqui. mesmo. e me assusto…

Lembranças não são boas. Elas deixam você com saudade do que aconteceu no passado, muitas vezes você sente uma vontade absurda de voltar no tempo, e isso não é bom. Como é mesmo que diz aquela frase? “A vida anda pra frente, passado se fosse bom era presente” , pois é.
- Lembrar não é bom - Escrevas. (via escrevas)
Não posso me ferir por alguém que não me cicatriza.
- Eu me chamo Antônio.  (via perigeu)
Engoli as estrelas, o choro e a morte. Bebi do riso, da alegria e do cansaço. Sentei no banco, no abismo, fui e voltei. Olhei com os ouvidos, ouvi com os olhos, toquei com a boca, e beijei com as mãos. Deixei minha vontade ali, mansa, morna, quase morta. Se ela voltar um dia, eu a tomo devagar. A inteligência é a maior benção concedida a nós, por nós mesmos. E quem disse que a loucura não é uma vertente da mesma? Meus caros, a inteligência não está naquele que pensa, mas sim naquele que num momento de incerteza age por instinto. Inteligência não tem nada a ver com estar certo ou errado, inteligência é ouvir a própria intuição e seguir em frente, mesmo que isso o leve a morte, ao medo, ao fim. O fim? Nada é mais bonito e certo que o fim pelo fim. Sem motivos ou egoísmo. Apenas gratidão.
- Sereno em um poema cronologicamente instável. (via sereno)
Despiu-se lentamente. Abriu o chuveiro e deixou que a água morna corresse farta por todo o corpo, na esperança de talvez lavá-lo por dentro… Limpando aquela tristeza, tão imensa.
- A Marca de uma Lágrima.  (via oxigenio-dapalavra)
Algumas amizades passam num piscar de olhos. Outras são feitas para durar até que você pisque pela última vez.
- Dois cigarros, um café.  (via assoprador)
eu
quando olho nos olhos
sei quando uma pessoa
está por dentro

quem está por fora
não segura
um olhar que demora

de dentro do meu centro
este poema me olha
- Leminski   (via oxigenio-dapalavra)

o meu choro é o alívio do mar
tão imenso e decidido
que resolveu se desaguar 
e esquecer que você existe 

estou perdido em inutilidade.

regado à vazios,
meu ego floresce morto.

estou perdido em inexistência

ninguém me vê
ninguém me toca


© Cereja do Sundae