©
Algumas doses de café num copo de whisky,algumas tragadas de um cigarro e um pouco de melancolia nas folhas amareladas de um velho caderno.
I lost myself
Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.
- Clarice Lispector.  (via romanteios)
- O que foi?
- Tudo foi, ninguém ficou.
- Thiara Macedo  (via pronuncio)
Quase todo mundo nasce gênio e é enterrado imbecil.
- Charles Bukowski.  (via reapaixonizar)
Ainda lembro de todas pessoas que passaram pela minha vida e deixaram algo, um por um, sem perder a conta. Eu não sei se fui uma boa pessoa com eles, se eu marquei como eles me marcaram, se dei o máximo. Mas nem todos são bonzinhos com todos, somos feitos de erros, erramos para aprender. Algumas pessoas passaram pela minha vida, e marcaram. E como marcaram. E não foi o tipo de marca que ficou em alguma parte do meu corpo como forma de cicatriz. Foi algo bem pior, algo que não sai com o tempo. Pode acontecer o que for, mas ela sempre estará lá. Não adianta nem fazer tratamento, usar algum tipo de remédio, ir todo o mês ao médico. Ela nunca sairá. Talvez o tempo ajude, mas de alguma maneira, por um pequeno detalhe, a vida me fará lembrar de alguma coisa que ficou pra trás. E não tem como mudar isso. Algumas cicatrizes nasceram para ficar, para morar, para estar, mas nunca irem embora.
- Desarvorado.  (via pronuncio)
Eu não era uma pessoa amável. Não gostava que me tocassem, que me olhassem diretamente nos olhos por segundos e logo após virassem a cara como se não se importassem com nada do que tivessem visto. Como se toda a profundidade de minha alma passasse despercebida. Não suportava que me abraçassem. Sentia-me sufocada a maior parte do tempo como um bicho em um cativeiro, como um pássaro numa gaiola que cantava uma melodia fraca, fraquinha.
- Os porquês de Amélia Roswell. (via animicida)
Do que eu tenho medo? Deixa eu ver. Sei lá, de repente de chegar um dia e ver que foi tudo em vão, que não valeu a pena, cada gesto ou cada ação, cada investimento e concessão. Eu tenho medo de um dia acordar e sentir que acabou.
- Gabito Nunes.    (via renovou-se)
Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos.
- Tati Bernadi (via cogitador)
Gosto de quem presta atenção em mim. De quem procura novidade mesmo me conhecendo do avesso. De quem não desiste de me descobrir. De quem não se cansa da rotina.
- Clarissa Corrêa. (via anotarei)
A vida é tão curta para tamanha distancia entre as pessoas. Todos deveriam morar perto um do outro, um dentro do outro. Mas não moram.
- Os porquês de Amélia Roswell (via retaliador)
Então compreendi perfeitamente o que gerava a dor. Não era o corte com a ponta da faca, a topada na quina da cama, o amigo que não liga mais, o café que sujou o fogão, as palavras duras, as notícias na tv, obviamente isso soma-se ao fardo, mas não é ele em si. A dor era gerada pela sede insaciável do nada. Pois quando não se tinha o que queria sofria e quando conseguia almejava outra coisa para sofrer. E é por essa sede que os humanos consomem seus dias, pelos futuros que nunca virão ou que serão fadados quando chegarem. E a maior idiotice era perceber: eu também era um desses tais que nunca estava de barriga cheia.
- Fernando Pessoa.   (via incorpora)
Há uma hora certa,
no meio da noite, uma hora morta,
em que a água dorme.
Todas as águas dormem:
no rio, na lagoa,
no açude, no brejão, nos olhos d’água,
nos grotões fundos.
E quem ficar acordado,
na barranca, a noite inteira,
há de ouvir a cachoeira
parar a queda e o choro,
que a água foi dormir…
Águas claras, barrentas, sonolentas,
todas vão cochilar.
Dormem gotas, caudais, seivas das plantas,
fios brancos, torrentes.
O orvalho sonha
nas placas da folhagem.
E adormece
até a água fervida,
nos copos de cabeceira dos agonizantes…
Mas nem todas dormem, nessa hora
de torpor líquido e inocente.
Muitos hão de estar vigiando,
e chorando, a noite toda,
porque a água dos olhos
nunca tem sono.
- Guimarães Rosa (via oxigenio-dapalavra)
Acho que está faltando um pouco de verdade nesse mundo. Falta fé. Falta você acreditar que pode agradar o outro sendo quem é. Sem ter que fazer mágica, já que a mágica está em poder viver bem consigo mesmo. E só.
- Clarissa Corrêa.  (via expressao)
Por mim, e por vós, e por mais aquilo
que está onde as outras coisas nunca estão
deixo o mar bravo e o céu tranqüilo:
quero solidão.
Meu caminho é sem marcos nem paisagens.
E como o conheces ? – me perguntarão.
– Por não ter palavras, por não ter imagem.
Nenhum inimigo e nenhum irmão.
Que procuras?
Tudo.
Que desejas?
Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.
A memória voou da minha fronte.
Voou meu amor, minha imaginação …
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória, amor e o resto onde estarão?
Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.
(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão!
Estandarte triste de uma estranha guerra … )
Quero solidão.
- Cecília Meireles, Despedida (via incorpora)

© Cereja do Sundae